Arquivo da tag: Colca Canyon

Peru: Arequipa ou Trujillo?

Sempre acreditei que um ótimo jeito de (re)começar seria respondendo a perguntas  sobre viagens. Tanto as que me fazem quanto as que eu mesma me faço (e são inúmeras, todo dia!) ou ainda as que eu pesco em sites e blogs, como foi o caso, hoje, do sempre útil Perguntódromo do Viaje na Viagem,  site que eu adoro do Riq Freire.

A questão levantada pela Lu Malheiros, do blog Dividindo a Bagagem, veio bem a calhar para a retomada dos posts. Vamos nessa!

Peru: Arequipa ou Trujillo? Que cidade é mais indicada para complementar uma viagem a Lima, totalizando uma semana?

“Lu, estive nas duas cidades em setembro passado. Segue um apanhado geral. Está longo, mas acredito que possa ser útil :)

Primeiro vamos às distâncias: De avião, os dois destinos ficam a cerca de 1h15 de Lima.  Já de ônibus, são – em média – 8 horas até Trujillo e 14 para Arequipa. Nesse caso, optaria pelas viagens noturnas, que não chegam a ser um problema uma vez que é possível encontrar boas cias de ônibus, como a Cruz del Sur, com assentos reclináveis e até bem confortáveis.

Quanto aos destinos, as duas cidades oferecem programas bem diferentes. Trujillo é a terceira maior cidade do país. A região foi habitada por duas civilizações fundamentais no antigo Peru: a Moche e a Chimu. Prepara-se para uma verdadeira imersão de história e cultura ao visitar centros arqueológicos impressionantes.

Por lá, é obrigatório fazer uma visita guiada a Chan Chan, capital do reino Chimú e a maior cidade de barro da América pré-hispânica. As huacas (pirâmides sem ponta) Arco- Iris, construída pelos Chimús, e a del Sol y de la Luna, de origem Moche, também valem demais a visita.

Além disso, o centro histórico de Trujillo é bem charmoso e preservado. Existem algumas belas mansões restauradas, abertas à visitação, que datam dos princípios da República.

Complementaria ainda o passeio com um pulo na praia de Huanchaco, que fica a 15 minutos do centro. A praia não tem uma beleza tropical ou estonteante, mas fica mil vezes mais bonita com o pôr-do-sol lá pelas 5 da tarde. Vá para a orla e observe as canoas de totora, espécie de capim seco extremamente resistente, utilizadas ainda hoje pelos pescadores locais. No fim do dia, coma um autêntico ceviche. Delicioso! No Peru, todos sabem que este prato só é encontrado na sua melhor forma bem ao norte e no litoral. Sem falar no preço, que é uma pechincha!

Sobre Arequipa, com o tempo que você tem, é necessário fazer uma escolha logo de cara. Priorizar o tour mais conhecido por lá, o Cañon del Colca, em detrimento de explorar a cidade em si, ou se dedicar a cidade, que é bem charmosa, mas pular o passeio do Colca. Essa escolha consciente evita a frustração de achar que é possível cumprir as duas tarefas com a mesma dedicação.

Na primeira alternativa, escolha o passeio de dois dias ao Colca, pernoitando uma noite em Chivay. Fazer tudo no mesmo dia é insano e extremamente cansativo. Na agência, quando estiver fechando o tour, escolha um hotel BEM BACANA (nunca será uma fortuna), afastado do centro, que te proporcione um bom visual da região do Colca.

No caminho de ida, você verá vulcões e centenas de llamas, e provará o chá de coca, pois os efeitos da altitude não tardam a serem percebidos.

Chegando em Chivay, durante a tarde, normalmente é oferecido um banho termal por cerca de 10 soles. O visual do lugar, a céu aberto, é bonito, mas o banho em si… bem… digamos… farofento rs…. Então veja se ficar no hotel (por isso indico que escolha um bom) não é mais jogo ;)  À noite, espere por um jantar turistão-temático com shows de música e dança da região. Sente o clima ;)

No dia seguinte, bem cedo, é hora de embarcar rumo ao Mirador de la Cruz del Cóndor, com algumas paradas lindas para tirar fotos e “interagir com a cultura local”. Eu, pessoalmente, tenho ressalvas a tratar locais como atração turística, pagar para tirar foto com uma criança e um filhote de  llama e ir embora 5 segundos depois… mas a maioria das pessoas adora e acha divertido. Bom, chegando ao Mirador, garanta um lugar privilegiado e cruze os dedos. Ver os condores é também uma questão de sorte, embora entre maio e setembro seja quase garantido. Se eles aparecerem, o espetáculo é certeiro. Como não temos a oportunidade de vê-los em terras brasileiras, é mais um motivo para justificar este passeio.

Na volta, a maioria dos tours para em pueblitos graciosos, onde é possível visitar algumas igrejas e ver artesanatos do Colca. O passeio termina, em Arequipa, cerca de 7 da noite. Para não perder tempo, deixe pré-agendado uma reserva em um dos restaurantes incríveis da cidade. Eu recomendo fortemente o Chicha, do chef Gastón Acurio, que fica quase em frente ao Monastério de Catalina.

No dia seguinte, antes de voltar a Lima (marque esta passagem apenas para o fim do dia), explore a cidade desde cedo, afinal trata-se de um Patrimônio Cultural da Humanidade, segundo a UNESCO, e as principais atrações estão bem próximas umas das outras.

Entre os pontos altos, estão a Catedral, bem no centro da Plaza de Armas, A igreja de La Compañia, o Museu Santuários Andinos, que expõe artefatos e objetos incas, incluindo o corpo congelado de Juanita, e o imperdível Monastério de Santa Catalina, fundado em 1580, que vale a visita no fim de tarde, onde a luz natural deixa o ocre e laranja desta cidade em miniatura ainda mais bonitos.

Bom, no final das contas, mais do que indicar um dos dois lugares, preferi te dar um panorama de cada uma das cidades, tão belas quanto diferentes entre si. Espero que minha contribuição possa te aproximar mais da sua intuição e do seu objetivo ao fazer essa viagem. Bom passeio e desejo que volte cheia de boas recordações e dicas para compartilhar conosco!”.