10 dicas de como fazer a mala de viagem ideal

Quem não gosta de uma lista, um top 5 e curiosidades do gênero? Eu adoro! Por isso simpatizei com o post The 10 Rules of Packing, escrito por Aric S. Queen para o site da National Geographic.

Planejando e escolhendo os itens certos, você experimentará as vantagens de viajar leve.

O texto me lembrou das perguntas que costumo receber sobre como fazer uma mala ideal. Resolvi, então, editá-lo em uma livre tradução – com direito a comentários em azul! Não é um tratado geral sobre o assunto, tampouco uma lista definitiva, mas acredito que seja bem útil. Dá uma olhada:

The 10 Rules of Packing 

1: A Regra de Ouro: Tire metade das roupas que você está planejando levar e duplique o dinheiro. Eu mal posso enfatizar o quanto isso é verdade!

[Perfeito! Ótimo cálculo!!]

2: Leve somente o que couber em uma mala de mão. Todos nós perdemos bagagem antes e é um sofrimento. Mas quando faz 3 graus na Polônia, e você está com aquele moletom horrível que insiste usar em vôos longos, ouvindo “assim que nós acharmos sua mala, mandaremos pra você”, isso realmente pode ser uma grande roubada. E – sem ofender os poloneses – mas ter que comprar um guarda roupa inteiro na Polônia pode não ser exatamente como você planejou gastar seu orçamento. Viajar apenas com mala de mão também significa que você precisa ter um exemplar com rodinhas, que vale cada centavo!

[Não cheguei - ainda - no ápice da praticidade de viajar só com mala de mão, mas certamente coloco nela uma muda de roupa, itens de higiene pessoal e artigos mais valiosos como presentes importantes,  câmera, iPod, etc - coisas que eu não me perdoaria se perdesse. Na mala que despacho vão itens com os quais eu sou menos apegada e poderiam ser repostos sem drama]

Adesivo de frágil evita danos a sua bagagem.

3: Quando for despachar a bagagem, peça no balcão para colarem a etiqueta “frágil”, o que assegura que sua mala será colocada no topo da pilha e será uma das primeiras a ser tirada do avião. Outra coisa: sua mala não será a única da cor preta, então coloque um adesivo vermelho nela – ou qualquer coisa que te ajude a reconhecê-la no meio da multidão.  

[Vou adotar a etiqueta frágil na bagagem, na esperança de que ela seja mais bem tratada. Sobre a sinalização da mala, sempre amarro um chumaço de fitas bem colorido, o que funciona super bem, já que  gosto de avistar minha mala de longe na esteira]

Lenços coloridos são leves, ocupam pouco espaço e dão charme ao visual básico.

4: Misture e combine. Com 3 camisetas e 3 partes de baixo você já tem 9 looks!

[Reduza as estampas, escolha peças lisas e clássicas que combinem entre si e aposte nos acessórios, como lenços e brincos, pra dar uma animada no visual. Pra mim, esse é o segredo de uma mala funcional e compacta. No quesito calçados, se tiver a intenção de andar bastante, não se iluda: sandálias e saltos vão torturar seus pés e um bom tênis será seu melhor amigo]

Prático e leve: na próxima viagem o notebook fica e o tablet vai!

5: Livros são sexy. Mas discos de vinil também. Portanto, se poupe dos quilos extras e preencha seu tablet com todos os livros e guias de viagem que precisa.

[Sim, tá mais do que na hora de eu comprar meu iPad. Alternativamente, costumava tirar fotocópias somente das páginas mais úteis dos guias, encaderná-las com um espiral e, conforme vou passando pelos lugares, arranco as folhas. Também costumo dar essas folhas para quem está indo para um dos destinos pelos quais já passei. Outra vantagem de não viajar com o guia é poder fazer uma série de anotações e rabiscos, sem danificar o original]

6: Não seja uma diva. Se você é o tipo de pessoa que precisa viajar com seu própria secador de cabelo (pois o do hotel não é bom o bastante), então eu sugeriria uma semana em meio à neblina dos Alpes.

[Não seja uma diva on the road. Não deixe de pegar transporte compartilhado, comer algo típico em um mercado mais rústico, acampar se o cenário for imperdível e por aí vai. No quesito arrumação de mala, abra mão das 3 opções de sandálias e do seu necessaire de esmaltes. A ideia não é passar aperto, mas sim se desprender dos excessos para circular com tranquilidade. PS1: Claro que é uma delícia contrabalancear certas “privações” com luxos pontuais, como comer em um restaurante excelente, comprar um casaco lindo ou substituir um trecho de ônibus por avião. PS2: Estou looonge de ser uma diva nas viagens, mas no quesito secador de cabelo, tenho um ultra pequeno e compacto que levo para hostels quando estou viajando para lugares frios e não quero dormir com a cabeça molhada. Vale super a pena]

7. Casacos e blusas ocupam um espaço precioso na bagagem e pesam demais. A menos que você esteja indo para o inverno da Rússia, se vestir em camadas funciona tão bem quanto.

[Dica preciosa. Certa vez errei feio e levei um daqueles casacos mega acolchoados para uma viagem de 2 meses. Devo ter usado 1 vez e era sempre um problema fazer ele caber na mala. Para o frio, o esquema das 3 camadas não falha: uma blusa segunda pele, um casaco mais quentinho, como um sleece ou polar e, por fim, um casaco leve do tipo corta vento e impermeável. Se a viagem for menos esportiva, inclua um cashemere e uma jaqueta quentinha ou, se a ocasião pedir algo mais chique,  troque a jaqueta por um (só um) sobretudo de uma cor coringa (preto, marrom,  cinza, azul marinho ou caramelo). Outra boa pedida para as mulheres é levar 2 meia-calças fio 40, uma preta e outra colorida. Aquece, compõe o look com calça, saia, vestido - as gringas amam usar com shorts - e podem ser usadas sobrepostas pra aquecer ainda mais]

8. Se você conseguir, evite o jeans. É polemico e eu deveria ter abordado isso no segundo tópico. Eles absorvem sujeira (e odores), são volumosos e levam dias para secar. Algodão é a melhor opção. 

[Taí um desafio. Nunca viajei sem jeans, mas faz sentido. Tenho uma calça azul excelente 70% algodão, 30% poliamida fácil de lavar, seca rápido, combina com tudo e o melhor: ultra confortável. Com mais uma dessa, eu deixo o jeans no armário]

Minha mochila da Uncle K. Compacta e com vários compartimentos, é perfeita para uso diário nas viagens.

9: Se é importante e não cabe na sua bolsa ou mochila de uso diário, deixe em casa. Objetos são roubados não importa para onde você está indo. Por mais incômodo que seja, eu estou constantemente carregando meu computador, câmera, etc, nas costas – e em lugares lotados, por mais ridículo que possa parecer, eu carrego a mochila na frente, junto ao corpo.

[Eu não desligo nunca o “desconfiômetro”. Na Bolívia ou na Suíça: nada de deixar a mala aberta se estiver em um hostel (nem em  hotéis estrelados eu deixo), não coloque a mala de mão no compartimento superior do bagageiro se for fazer uma viagem longa de ônibus (especialmente as noturnas), não deixe de colocar cadeado na mala SEMPRE, guarde os pertences valiosos no cofre, não fique contando dinheiro na rua após fazer um saque no caixa automático – por mais estranho que pareça,  tem gente que faz isso. No quesito segurança, tenho uma mochilinha ótima - ver foto acima - com zíper na parte das costas, o que inibe possíveis furtos.]

10. Todo país que eu já visitei vende sabonete. E shampoo. E meias. E camisetas. O que você esquecer, poderá comprar.

[Sim, inexplicavelmente eu já levei uma mala cheia de barras de cereal e fiquei driblando os cachorros da polícia federal chilena, já que é expressamente proibido entrar com comida em outros países. Totalmente desnecessário, pois todo supermercado vendia a tal barrinha. Sobre os cosméticos, levo tudo em frascos pequenos e vou reabastecendo ao longo da viagem. Nada de levar um shampoo e um condicionador de 250 ml, que no final das contas pesam bastante na sua mala].

Uma última coisa: Sabe aqueles sapatos plásticos de jardinagem que por algum motivo se tornaram aceitáveis no meio fashion? Faça a seu país um favor e não use.” 

[Bom, eu definitivamente também não sou fã dos Crocs, exceto para crianças de até 9 anos, é claro.]

Eu achei as dicas bem úteis. E você? Para seguir as aventuras do Aric, acesse seu blog pessoal ou o siga no twitter @aricsqueen. Para ler a matéria original, em inglês, clique aqui.

Fotos: Getty Images

About these ads

16 Respostas para “10 dicas de como fazer a mala de viagem ideal

  1. Oi Camila,
    Realmente concordo com todas as dicas.
    Mas infelizmente ainda não consegui me livrar do secador de cabelos, ahahah. Eu ja cheguei ao ponto de comprar um em um supermercado em Paris Paguei em euro, mas não fiquei sem. Oh, vicio!
    Beijos

  2. Camila,
    muito boa a lista. Vou dar meus pitacos:
    1. Sobre o item 8, onde fala “algodão é a melhor opção”. Hmmm, eu particularmente discordo. Acho que a opção mais leve e prática são as roupas de tecido sintético, como calças de montanhismo, camisetas dry-fit e casacos de fleece. Claro que entra aí a questão da preferência e a da estética, que é muito pessoal e subjetiva. Mas apenas eu queria ressaltar que o algodão é uma opção ao jeans sim, mas não é a melhor das opções.
    2. Sobre o item 2, eu uso uma mala que vende na Decatlhon, que tem o exato tamanho permitido nos aviões, tem rodinhas de nylon e ainda têm a possibilidade de se destacar alças embutidas e usar como mochila em determinadas situações. MUITO prática. Mas é necessário que alguns itens não podem ser levados na cabine e terão que ser despachados anyways. E uma mochilinha de ataque, pequena, é sempre bom levar tb.
    3. Sempre vale lembrar: quanto às roupas, enrole, não dobre. Cabe melhor, amassa menos e fica mais fácil de organizar.

    • Olá Luiz,

      Concordo quanto aos sintéticos serem mais práticos, mas muitas vezes o algodão é tão mais confortável, né? Vai muito de gosto mesmo.
      Sobre a mala da Decathlon, achei bem interessante. Sonho em viajar sem ter que despachar.
      E quanto a dobrar as roupas, uso sempre essa dica, mas esqueci de colocar no post. Bem lembrado!

  3. Oi Camila,
    Muito bacana seu blog! Também tenho um blog de viagens :)
    Minha meta é conhecer todos os países da América Latina, e estou indo para o México em Abril.
    Vamos trocar links?
    Vou seguir seu blog.

    Um abraço
    Bruna Capraro

  4. Muito legal o blog e todas as dicas! Está sendo uma mão na roda pra mim, vou abusar da sua boa vontade e te enviarei um e-mail :)

  5. Pingback: La Chica de Mochila « Vou mochilar!

  6. Adorei todas as dicas, inclusive das meninas que acrescentaram.
    ab yvone

  7. amei este site, muito bom mesmo, aprendi muito!
    bjus Lia

  8. Muito bacana, eu já sou uma viajante bem compacta. Amo viajar pela nossa América, tenho 57 anos e já consegui fazer um pedaço, junto com meu companheiro de vida e de viagens.
    Uma viagem leve é muito mais prazerosa.
    Vou querer algumas dicas para minha próxima,que será lá pelo dia 19 de dezembro até + ou – 9 de janeiro 2013 para o Equador.
    Pretendo estar em Quito – Cuenca – Guayaquil …e o que mais der.
    Não sei ainda como fica melhor a entrada no país, se por Quito ou Cuenca gostaria de sua sugestão.
    Muito lindo seu site, parabéns!
    Estou no aguardo bjo!

  9. Estou indo para um “quase mochilão” no Chile, passando por Ilha de Páscoa, Santiago e Deserto do Atacama! Conciliar essas temperaturas tão diferentes (Na ilha de Páscoa é calor, no deserto durante o dia muito quente, mas a noite faz muito frio) numa mala pequena é bem difícil!! Suas dicas me ajudaram muito! Eu já comprei calças de algodão. Concordo com vc, calça jeans não é prático! Ah, e quanto a comprar sabonetes, camisetas e escova de dente em qualquer país, minha mae sempre fala isso quando eu surto ao pensar que posso ter esquecido alguma coisa!!!rs
    Valeu pelas dicas, serão muito valiosas!!!!!!!

  10. Camila, amei tudo aqui no blog!!! Mas como uma pessoa que NUNCA sabe como fazer mala tive que escrever nesse post! haha. Vou ler tudo de chile daqui a pouco pq to indo pra lá tb.
    Mas então, queria te fazer uma proposta. Possso replicar esse teu post no meu blog (te dando todos os creditos, claro!!)? Pq esse foi o melhor que li até agora sobre fazer malas e acho que é mto necessário compartilhar :o)
    Além disso vou te colocar nso meus favoritos ok? Me avise!!! Bjocas, manu

    • Oi Manu, tudo jóia?

      Fico super feliz que você tenha gostado do blog! Dei um pulo no “Manu do Outro Lado do Mundo” e adorei! Você já foi a lugares incríveis e coleciona belas histórias e experiências!

      Como eu cito no começo do post, esse texto foi feito a partir do “The 10 Rules of Packing”, escrito por Aric S. Queen para o site da National Geographic. Os comentários em azul são meus e dizem um pouco sobre minha experiência no assunto. Se quiser replicar o post, com os devidos créditos, será um prazer!

      Bjs!

      Camila Camargo
      La Chica de Mochila

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s